Photo Matthew Krause

por Matthew Krause

líder técnico - Cultivos cobertos



O uso de biofungicidas microbianos continua a ganhar aceitação e força na horticultura e na produção agrícola.

Para os produtores novatos em biofungicidas microbianos, a curva de aprendizado para usá-los com eficácia contra as doenças foliares e de plantas transmitidas pelo solo pode parecer bastante íngreme. Para os produtores que tentaram e tiveram pouco, ou nenhum, sucesso com biofungicidas no passado, tentar novamente e obter resultados mais consistentes e eficazes no futuro parece ser um desafio.

Os produtores de ambos os grupos não precisam se preocupar.

Desde que os primeiros biofungicidas registrados foram introduzidos há mais de 30 anos, o número de produtos e formulações disponíveis aumentou substancialmente. Além disso, as melhorias na facilidade de uso, qualidade, estabilidade e conhecimento técnico resultaram na melhora significativa da eficácia e do custo de utilização de muitos biofungicidas.

Este artigo ajudará os produtores a selecionar, testar e obter o máximo dos biofungicidas microbianos em programas de gerenciamento de doenças.

1 - O que são biofungicidas microbianos?

Os biofungicidas microbianos registrados contêm células vivas de cepas específicas e únicas de bactérias e de fungos como ingredientes ativos.

Em alguns casos, os metabólitos secundários produzidos por esses microorganismos também podem ser incluídos em produtos formulados.

Imagem de microscópio eletrônico do fungo Clonostachys rosea
M – Mycelium / SP – Esporos
Foto de microscópio eletrônico do fungo Clonostachys rosea,
H: Hyphae

2 - Como funcionam os biofungicidas microbianos?

Eles normalmente trabalham contra patógenos de plantas através de dois ou mais dos seguintes modos de ação não tóxicos:

1. Concorrência por espaço e nutrientes

Clonostachys rosea bloqueia o crescimento da Botrytis cinerea ao competir por nutrientes e espaço vital

A cepa ativa coloniza e compete com os patógenos na superfície da planta e/ou no solo adjacente e inibi ou bloqueia o acesso dos patógenos à planta hospedeira.
A cepa ativa consome os nutrientes da planta hospedeira que se encontram sobre ou em torno desta, caso contrário, os patógenos usariam estes mesmos nutrientes para crescer, se espalhar e infectar ativamente a planta

2. Metabólitos antagônicos liberados contra os agentes patogênicos

Os metabólitos são substâncias produzidas e liberadas por microorganismos durante seu crescimento e atividade sob diferentes condições

Os agentes defensivos liberados pela cepa biofungicida ativa, inibem ou perturbam o crescimento de patógenos, se espalhando e se fixando na planta ou ao redor da mesma.

3. Hiperparasitismo ou predação para desativar ou matar patógenos, alimentando-se deles

Hyphae de Clonostachys rosea J1446 se enrola ao redor do agente patogênico Rhizoctonia solani e degradam suas paredes celulares secretando enzimas digestivas (β 1,3 glucanase, quitinase)

Com o hiperparasitismo, a cepa do biofungicida infecta e se alimenta ativamente dos agentes patogênicos. Isso os enfraquece e reduz sua presença e atividade sobre e ao redor da planta hospedeira.
Com a predação, a cepa do biofungicida ataca fisicamente, digere e consome os agentes patogênicos, incapacitando-os ou erradicando-os efetivamente do ambiente da planta hospedeiro.

4. Induzindo a defesa do hospedeiro nas plantas contra ataque ou propagação de patógenos

A cepa do biofungicida interage com a planta hospedeira para acionar pontualmente, sistemicamente ou despertar totalmente os próprios mecanismos de defesa da planta contra a infecção e propagação de patógenos.

As respostas de resistência induzida podem variar em relação a sua força e sua duração. Dependendo do agente indutor e do mecanismo de resistência induzida, as espécies e variedades de plantas, podem variar em relação a sua receptividade e a sua sensibilidade.


A maioria dos ingredientes ativos microbianos registrados atua através de dois ou mais destes modos de ação

3 - Os benefícios do uso de biofungicida microbiano na agricultura


Agora que você já sabe o que são biofungicidas e como eles funcionam, veja aqui 7 razões pelas quais os produtores os utilizam:

  Protege efetivamente as plantas contra doenças como alternativa ou como parceiro de programas com fungicidas sintéticos

  Melhora a produtividade e a vida útil dos produtos devido aos baixos intervalos restritos de entrada e pré-colheita

  Baixo risco à saúde e segurança dos trabalhadores, dos consumidores, das plantas, dos insetos benéficos e do meio ambiente.
OBSERVAÇÃO: o equipamento de proteção individual (EPI) deve ser usado durante sua preparação, aplicação e intervalos de entrada restritos (REIs) para proteger os trabalhadores dos riscos remotos de desenvolver sensibilidades aos componentes biológicos desses produtos.

  Reduz ou acaba com a resistência patogênica aos fungicidas sintéticos

  Sem registros de resistência conhecida a qualquer dos múltiplos modos de ação de seus ingredientes ativos

  Melhora o acesso ao mercado e os valores das culturas devido à crescente demanda dos consumidores por culturas mais ecológicas ou produzidas de forma mais sustentável/p>

  Melhorias na saúde das plantas, do solo e do meio ambiente com uso contínuo, o que pode reduzir a pressão de pragas e de doenças ao longo do tempo

4 - Biofungicidas microbianos no manejo de doenças de plantas


A teoria central usada para o gerenciamento de doenças nas plantas é o triângulo de doenças de plantas.

Este triângulo ilustra a inter-relação entre a planta hospideiro suscetível, o ambiente propício e o patógeno virulento. Quando algo perturba ou altera qualquer um desses elementos, resulta na redução ou controle de uma determinada doença.

No gerenciamento integrado de doenças (IDM),
os fungicidas biológicos e sintéticos são considerados ferramentas importantes para interromper
efetivamente um ou mais desses elementos.
.

Os programas IDM mais bem-sucedidos são aqueles que são pró-ativos em vez de reativos.

Eles normalmente incluem::

  Conhecimento sobre o histórico de patógenos e de potenciais patógenos que podem afetar a cultura, incluindo suas características biológicas, como eles se espalham e as influências de fatores associados às plantas, ao ambiente e a cultura.

  Exclusão de patógenos do cultivo e do ambiente de cultivo e/ou reduções efetivas nos níveis de patógenos nos solos do campo

  Saneamento e higiene adequados da cultura para evitar a propagação de doenças de plantas infectadas e evitar igualmente que equipamentos ou insumos contaminados infectem plantas não infectadas

  Controle de fatores ambientais, físicos e químicos sempre que possível para limitar condições que favoreçam o desenvolvimento de patógenos, estresse da planta e propagação de doenças

  Monitoramento contínuo de doenças e diagnósticos precisos de patógenos para identificar problemas inesperados quando eles surgirem e documentá-los para referência futura

  Identificação, compreensão e otimização de ferramentas fungicidas biológicas e sintéticas para prevenir ou minimizar as doenças das culturas a um custo efetivo

Estes elementos quando usados em conjunto perturbam ou eliminam fatores ambientais, culturais e biológicos, essenciais aos patógenos para que cresçam, se desenvolvam e causem doenças com sucesso.

Portanto, como você pode ver, os biofungicidas são mais eficazes quando combinados com outras abordagens de gerenciamento de doenças.

5 - Integre os biofungicidas microbianos em seu programa de manejo de culturas em 8 passos fáceis de seguir


Os tratamentos com biofungicidas microbianos quando selecionados, programados e aplicados corretamente exploram diretamente as vulnerabilidades biológicas dos patógenos.

Eles também auxiliam na saúde fisiológica das culturas, no sistema imunológico das plantas e, em última análise, igualmente na qualidade e na produtividade.

O guia a seguir fornece orientações para que você possa desenvolver o seu próprio programa de gerenciamento de doenças microbianas baseadas em biofungicidas de maneira eficaz.

Pense em sua cultura de maneira global

Primeiro seja proativo, depois reativo e terapêutico.

Os biofungicidas funcionam como medida preventiva. Embora possam proteger efetivamente as plantas não infectadas se aplicados antes do ataque de patógenos, eles pararão os patógenos, mas não eliminarão os danos das plantas que já foram infectadas por estes patógenos.

O verdadeiro controle curativo de doenças de plantas ocorre apenas com alguns fungicidas, e geralmente não persiste. Entretanto, a maioria dos fungicidas sintéticos e alguns biológicos podem proporcionar um controle terapêutico reduzindo os níveis de patógenos ou atividades suficientes para abalar, retardar ou restabelecer o progresso da doença nas plantas afetadas.

Conhecimento é poder

Conheça e entenda potenciais patógenos que podem afetar cada uma de suas culturas, suas características biológicas e seus ciclos de doenças para que você possa antecipar os problemas de potenciais doenças antes que elas aconteçam. Você pode então selecionar produtos que exploram as fraquezas patogênicas, e assim decidir antecipadamente se e quando aplicar estes produtos em seu programa.

Escolha os melhores fabricantes e distribuidores para agregar valor a suas operações

As formas como os biofungicidas microbianos são produzidos e formulados podem ter um grande impacto sobre a eficácia de cada um deles. Dois produtos com o mesmo ingrediente ativo podem produzir resultados muito diferentes.

É por este motivo que você deve considerar fabricantes que possuem experiência interna e conhecimentos especializados na fermentação e produção de suas formulações. Isto ajuda a garantir a qualidade do produto que você está usando de lote para lote.

Quanto aos fabricantes e distribuidores, procure aqueles que oferecem o melhor suporte técnico. Isto pode determinar o sucesso ou o fracasso de seu programa.

Escolha os produtos e as formulações corretas para o(s) patógeno(s), cultura e ambiente da cultura

Consulte os representantes técnicos do fabricante ou o distribuidor e seus recursos on-line, bem como consultores agrícolas, especialistas em extensão rural e outros produtores com larga experiência na utilização de produtos e formulações corretas de biofungicidas para cada combinação de cultura-doença.

Veja aqui algumas formulações por tipo de aplicação:

  • Spray foliar, spray de solo, spray de sementes, nevoeiro, encharcamento, molho, chorume: Liquid, ES, EC, WP, WG, WDG.
  •  Top dress, in-furrow, pré-plantio incorporado (solos e meios de cultivo): Grânulo ou GR.
  • Tratamento a seco de sementes: WP, DP ou Caixa de plantio.

Escolha o método de aplicação adequado

Consulte especialistas para encontrar os métodos de aplicação, taxas e padrões de uso mais eficazes de acordo com o patógeno, a cultura e o estágio da cultura.

Manter o equipamento de aplicação com a manutenção em dia e calibrado é essencial para que se obtenha uma performance eficaz prevenindo o desperdício do produto.

Leia cuidadosamente os rótulos dos produtos para armazenamento, manuseio, mistura, requisitos e limites de aplicação

Como a maioria dos biofungicidas microbianos contém microorganismos vivos e/ou metabólitos ou extratos na sua fermentação, eles geralmente não suportam tanto temperaturas e condições extremas quanto a maioria dos fungicidas sintéticos. Sendo assim, a vida útil deles é limitada sob condições específicas de armazenamento com requisitos ou restrições particulares de aplicação.

Os ingredientes ativos celulares em biofungicidas líquidos, pós e grânulos molháveis não são solúveis em água e devem ser mantidos suspensos por agitação regular durante a aplicação para garantir uma distribuição uniforme na cultura.

Verificar se há tamanhos de malha de filtros em linha ou outros filtros usados em pulverizadores, injetores e sistemas de irrigação que são incompatíveis com os biofungicidas potenciais.

Selecionar os EPI e REI adequados para cada produto (biológico e sintético).

Teste produtos novos em uma escala menor antes de aplicar em tudo

Determine se a nova ferramenta vale o investimento comparado ao seu programa atual antes de se comprometer totalmente. Veja como:

  • Analise o grau de êxito com o novo produto antes de testar: efeitos sobre doenças, crescimento da planta, rendimento comercializável, qualidade comercializável, retorno de investimento, etc.
  • Teste em uma escala suficiente para fazer uma comparação razoável lado a lado, mas pequena o suficiente para não colocar sua cultura em risco financeiro se o biofungicida não tiver o desempenho esperado.
  • Tente integrar ao seu programa atual substituindo os principais componentes do seu programa.
  • Documente suas observações e resultados: os bons, os ruins e os péssimos. Anote e catalogue estas informações, elas ajudarão a fazer ajustes no programa que otimizarão a eficácia e o custo em uso, e igualmente a tomar decisões atuais e futuras.

💡 Sua câmera do telefone celular é uma ótima ferramenta para documentar as comparações lado-a-lado, os resultados inesperados e outras observações visíveis à medida que você as encontra.

Considere a compatibilidade, a complementaridade e a sinergia potencial com outros insumos e práticas

A mistura extemporânea ou a compatibilidade rotacional com outros produtos de pesticidas biológicos e sintéticos pode ajudar a economizar as aplicações de ferramentas que impedem ou resolvem diferentes problemas fitossanitários para melhorar os rendimentos comercializáveis.

Esteja atento a resultados inesperados – tanto positivos quanto negativos.

6 - O que saber antes de usar biofungicidas agrícolas


É difícil para os patógenos desenvolverem verdadeira resistência aos biofungicidas porque eles frequentemente funcionam através de dois ou mais modos de ação não específicos. Isto também os torna parceiros rotativos ideais para muitos fungicidas sintéticos, pois podem ajudar a prevenir ou retardar o desenvolvimento da resistência aos fungicidas.

Quando usados sozinhos, os biofungicidas funcionam melhor contra as doenças das culturas rotuladas de níveis baixos a moderados de patógenos sob condições que favorecem o desenvolvimento de doenças típicas (baixa pressão de doenças moderadas). É provável que sejam ineficazes sob altas pressões de doenças, onde os níveis de patógenos são altos e/ou as condições são de repente altamente favoráveis para o desenvolvimento de doenças. É por isso que os biofungicidas são utilizados principalmente em combinação com fungicidas sintéticos e/ou outros fungicidas biológicos compatíveis para o manejo de doenças.

Como os fungicidas sintéticos, eles não persistem indefinidamente em níveis efetivos. Os ingredientes microbianos ativos, em muitos produtos aplicados no solo ou no meio do cultivo, podem durar de 2 a 12 semanas, dependendo de fatores do solo, do ambiente e das plantas, assim como das práticas de cultivo. Por exemplo, os biofungicidas foliares normalmente precisam ser aplicados com frequência, já que normalmente não se espalham para novos crescimentos, não são sistêmicos e podem ser afetados negativamente por tensões ambientais tais como luz UV, baixa umidade relativa, temperaturas extremas e insumos agrícolas incompatíveis.

Eles não podem corrigir ou superar práticas agrícolas insalubres e condições de crescimento. Embora os produtores possam utilizar as características biológicas únicas dos biofungicidas microbianos para administrar as principais doenças das plantas, é essencial que eles evitem circunstâncias que promovam a propagação, o crescimento e o desenvolvimento de patógenos, bem como limitar práticas que tornem suas culturas mais suscetíveis a doenças.

Os biofungicidas microbianos não são milagrosos. Mas o uso das informações e recomendações deste guia deve ajudá-lo de maneira eficaz a construir, a avaliar e a implementar seus próprios programas de gerenciamento de doenças de plantas com base biológica usando biofungicidas.

Fique informado

Obtenha conteúdo direto na sua caixa de entrada.

Stay in the loop

Ótimo! Você está inscrito em nossa lista.

Conte-nos um pouco mais sobre você. Ajustaremos nossos e-mails às suas preferências.

Stay in the loop - part 2
SEUS INTERESSES *